sexta-feira, 4 de março de 2011

O CARNAVAL DA LAGE

"RECORDO OS CARNAVAIS DA LAGE, OS VELHOS TEMPOS QUE NÃO VOLTAM MAIS"


 

Qual Lagense não sente um pontada de saudade no peito ao ouvir essa musica?
Só sabe quem viveu momentos inesquesíveis fazendo o passo de frevo rasgado:
O carnaval começava com a chegada do Zé Pereira,
Depoís tinha a coração do Rei Momo,
Que desfilava com a Rainha do Carnaval passado.

"ATRÁS DO TRIO ELÉTRICO SÓ NÃO VAI QUEM JÁ MORREU"


 
O trio elétrico era o nosso carnaval de rua,
 Raul e Zé Maria reuniam os  músicos Lagenses...
Quando João Pinheiro dava os primeiros acordes
A galeria enlouquecia em frente da Estação.
O trio elétrico era num palco, mas mesmo
assim arrastava multidões dos quatro cantos.
Com o jipão, o mela mela, a alegria e resistência
dos foliões.
Mesmo quem não era Lagense, se perdia
naquela mágica folia que era o carnaval.

O CUBE GENTE NOSSA,  INESQUECÍVEL!





Lembro os grandes bailes com Orquestra no Clube Gente Nossa,
Zé Maria  fazia uma decoração cinematográfica!
As fantasias dos foliões, um deleite aos nossos olhos.
Os blocos escolhiam um tema para cada noite!!
Mas acho que a fantasia do domingo era repetida na terça...


"QUANTO RISO OH, QUANTA ALEGRIA...MAIS DE MIL PALHAÇOS
NO SALÃO,
ARLEQUIM ESTÁ CHORANDO PELO AMOR DA COLOMBINA,
NO MEIO DA MULTIDÃO"


 
Era assim também no carnaval da Lage, aparecia sempre um Arlequim,
amores arrebatadores, que as vezes terminavam com o carnaval!
Mas quando o Pierrot encontrava sua Colombina virava casamento.



                                   "Ô ABRE ALAS, QUE EU QUERO PASSAR"



 
As pessoas fazia um verdadeiro abre alas para ver os blocos passar.
Chegavam vestidas de lamê, lantejoulas, plumas e paetês,  temas convêncionais ou inédito.
Com confete e serpentina, com ou sem  fantasia. Com a toalha no ombro (rs...)
Todos caiam na folia, ninguém ficava parado, ia até o sol raiar!
Na quarta feira de cinzas, a orquestra fazia o corso com os foliões até o pátio da estação,
era a hora do bloco do Bacalhau de Louro Caçula.

10 comentários:

Anônimo disse...

AMIGA,

VOCÊ NÃO MENCIONOU SUA PERFORMACE COMO A RAINHA DO CARNAVAL QUE REVOLUCIONOU!!
VOCÊ DEVERIA FAZER UMA GALERIA DE FOTOS...

PENSE NISSO

Anônimo disse...

Tia,

E o mela mela, muita gente não conhece o nosso, afinal é feito com mel de engenho...

Anônimo disse...

Tia Rô,

Passamos aqui rapidinho porque a folia já começou, eviaremos fotos antigas e atuais.
Sua galeria vai ficar um show!!!

Bjo.

Anônimo disse...

Rosário,

Adorei as ilustraçães do post, você tem mesmo uma veia artistica, tudo que faz é muito caprichado e com um toque pessoal.

Beijão

Anônimo disse...

Rô so hoje é que eu lei a postagem é muito emocionante lembrar dos antigos carnavais da laje do banho do tijuca banho da ziuma e tambem domanacã se for postar mas alguma coisa sobre antigos carnavais lembre-se de zezim puça gaspar gato preto e xicó que são figuras inesqueciveis dos carnavais sem falar em sr. zé grande folião

Anônimo disse...

Adorei em ver e ler um pouco do nossos carnavais, era simplesmente maravilhoso, nao tinha nada ruim. saudades vc deve ter uma vaga lembranca minha sou filho de valda casada com seu tio joao lyra. um forte abraco.

Maria do Rosario disse...

Anônimo,

Realmente os carnavais eram maravilhosos e inesquecíveis.
Lembro perfeitamente de você, mas sinceramente não lembro teu nome. Você estava sempre na casa de Jane de Inaldo Valença.

Maria do Rosario disse...

A RAINHA DO CARNAVAL DA LAGE

O praxe era a Rainha se Vestir de Rainha e eu achava aquilo muito esquisito.
Quando fui eleita rainha, fiz uma fantasia de Carmem Miranda, top e uma saia com fenda que aparecia toda perna quando eu andava. E tinha uma cabeça com frutas, plumas e paetês.
Foi um escândalo, tanto na coroação como no desfile à carro aberto pela cidade.
PS. Detalhe: Até hoje sou a Rainha do Carnaval da Lage.

Anônimo disse...

Sempre ficava na casa de Tia Jane, quem não pode e nem conheceu a folia de rua, o mela-mela, os banhos nos rios, o passeio no jipão e as noites no Clube Gente Nossa, passou pela vida e não teve o prazer de viver dias maravilhosos, era realmente coisa de outro mundo, parecia uma droga, quem provava, sempre repetia, era de uma magia que enfeitiçava qualquer um, não tinha lugar pra desordem, brigas, não tinha rico e nem pobre, preto ou branco, se misturava tudo, à alegria que reinava e a união de classes fazia ser diferente. Ainda hoje quando escuto os acordes de uma guitarra elétrica faço uma viagem ao velho palco com João Pinheiro e Cia. Meu nome é Robson.

Maria do Rosario disse...

ROBSON

Muito boa sua colocação, não esqueço as vezes que Geraldo Lyra dizia: Toda essa resistência do carnaval da Lage é movido pela felicidade de todos nós.
Era realmente mágico.

Fico feliz e agradecida por sua visita ao meu Blog.

Rosário