terça-feira, 15 de janeiro de 2013

AS ESTAÇÕES DO AMOR



Primavera


Sinto os primeiros calores da primavera,
 tão antigo aquele sopro de vento,
 mas ainda me faz sorrir sem  olhar frente a um espelho,
 é um sorriso infantil que tem a doçura dos anjos.
Muito antes de vir as novas estação já havia o prenúncio:
 inesperadamente uma tepidez de vento,
 os primeiros aromas adocicados do ar.
 Impossível não reconhecer diz o coração.
 
 
Impossível, diz em eco as cores ainda tímidas
 e frescas como flores da primavera,
Impossível que isso não traga o amor maduro!
Repete o coração da semente que, para surgir,
necessita da quebra da semente, que
 parte sua secura crestada num sorriso.
Sem sequer perceber que já o fez,
e que aquilo é um amor.




 

 

Um comentário:

Anônimo disse...

bonita poesia ! muito mais amadurecida!