domingo, 2 de outubro de 2011

EXTEMPORÂNEO AMOR

Ele não é menor na intensidade!


Havia uma atração física incomparável
eles sabiam porque estavam experimentando
no estado de graça, via-se a profunda beleza
que de súbito se torna real e indizível
mãos frementes e firmes
explorando corpos sem pudor
era o mais próximo de dois seres humanos
e o prazer era de por fim se abrir
e deixar escorrer sem avareza o vazio pleno
 de súbito o sobressalto do desejo
estavam agora abrindo seus corações
 novamente a entrega se fez
 de pronto o inevitável e múltiplo gozo
enebriados e eternecidos  o gastaram
 em nome de um homem e de uma mulher
ela nunca fora humilde no amor
mas por deslumbramento se tornara
beijando-o tão demoradamente, que
quando puderam se deslocar um do outro
 os olhos denunciavam ainda mais desejo
sentiam agora o perigo da entrega total
por medo da própria grandeza
 isso não é aplicável ao amor
nem a pessoa amada é capaz de receber tanto
pois na última vez ele a tratara com uma delicadeza
e um bom senso que não bastava
já que haviam esperado tanto tempo.
Assim a voracidade da urgência
se fez austera e silenciosa.



(Rosário Lyra)

4 comentários:

Meire disse...

Fênix querida do meu coração de melão, adorei as palavras! De suspirar!! Boa semana pra ti, bjokitas com carinho :)

DYDHA LYRA disse...

EITA! QUE TA É BONITO...
ARRASOU!!!
DYDHA LYRA

Maria do Rosario disse...

Que bom Meire!

O amor tem dessas coisas... rs

Um beijinho

Maria do Rosario disse...

AH! POETA,

ISSO JÁ É REFLEXO DO MOVIMENTO DA PALAVRA!
OBRIGADÍSSIMO:))