domingo, 11 de setembro de 2011

TRANSTORNO

Flor de sangue (Fotoblog)




Companheiro doloroso inventaste a angústia
imediata e silenciosa
sem as flores da primavera
 o despetalar do outono se faz em mim


Ah! sufocante devaneio, como sofro!
quem és,  doloroso e maldito
me tomas de maneira irremissível
intrísico deixar-te-ei ficar


(Rosário Lyra)

2 comentários:

DYDHA LYRA disse...

" Sem as flores da primavera
o despetalar do outono se faz em mim."
LIRISMO E DOR ANDAM DE MÃOS DADAS EM TUA POESIA!
ABRAÇO,
DYDHA LYRA

Anônimo disse...

Os transtornos nos sufocam amiga, mas apesar da dificuldade você lida bem com isso.
Quem dera conseguisse...

Você voltou para o paraíso mas não te esquecerei, minha família é sua tbém.

Um forte abraço,
Cecilia