terça-feira, 3 de maio de 2011

VIVENDO NA DOR









VIVENDO NA DOR

                                             
                                             (Rosário lyra)



Por vezes pressinto ...
Muda o tempo desatina a dor, e através do frio vento, o desalento;
Pereço contida,  na dor permaneço.
Na dor adormeço, sem descanso na dor, aurora não reconheço.


Por vezes adoeço...
Sinto o líquido frio dos metais em minhas entranhas,
Até compreender que só o havia encontrado na dor
Dor, sigo pelas ruas sem me nutrir,  amalgama não me sustenta.

Por vezes padeço...
Faminta de sorriso resvalado, sigo triste com prótese, hastes, pinos.
Dor que desatina e me limita,careço travessia,
Por largas avenidas correr sem mobilidade não mais. Padeço.





  

4 comentários:

Anônimo disse...

Rosário,

Posso falar de cadeira, sua você t uma veia poética.
Pratique bastante, estrapole essa dor!

Você vai longe...

Anônimo disse...

Maria,

Olha é assim mesmo, tbém tenho uma prótese na lombar.
Mas o bacana é você continuar assim bonita. Seu blog é muito bom, parabéns e o ato de transformar dor em poesia é louvável.

Tudo e bom!

Sanzia Capellin

Maria do Rosario disse...

Sanzia,

Agradeço de coração seus elogios, sabemos como é difícil vencer o vencedor.
Mas não podemos desistir!

Um brande beijo,

Maria do Rosario disse...

Anômimo(a)

O exercício de escrever tem realmente me ajudado bastante no processo de reabilitação.
Psicológicamente falando eu entendo que a dor está presente, mas se temos outros pensamentos e ações, vivemos melhor.

Obrigado pela força:)